A cada ano, quase 2 mil mulheres morrem no pós-parto no Brasil

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

No Brasil, acontecem quase 2 mil mortes obstétricas por ano, segundo o levantamento da Sociedade Brasileira de Direito Médico e Bioética (ANADEM), usando como base o DataSUS, plataforma de dados e estatísticas do Sistema Único de Saúde (SUS).

De acordo com a pesquisa, foram 1.917 óbitos maternos em 2015, enquanto em 2016 ocorreram 1.829 mortes de mulheres durante e após o parto. Os períodos que constam no levantamento são os mais recentes disponibilizados pelo SUS.

De acordo com a ANADEM, as condições encontradas nas estruturas de saúde são algumas das principais causas para este cenário. “Alertar para a infraestrutura precária da saúde no Brasil serve para as mais importantes pautas de qualquer política adotada pelos gestores públicos”, afirma Raul Canal, presidente da Sociedade.

Já sobre a mortalidade de recém-nascidos, o DataSUS mostra que, anualmente, mais de 3% das crianças no Brasil morrem em seu primeiro ano de vida. Somente em 2018, foram 18,8 mil mortes.

“Em um país em que se discute a previdência por notar o envelhecimento da população, não se pode deixar tantas vidas se perderem em seus primeiros meses. É um gravíssimo erro de saúde pública e até de estratégia financeira”, pontua Canal.

Pelo Mundo
Nesta semana, a Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou um estudo, via Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), sobre água, saneamento e higiene nos hospitais pelo mundo.

Trecho deste levantamento aponta que 15% das mulheres têm complicações pós-parto, causando 303 mil mortes por ano no mundo, sendo 99% de falecimentos em países de baixa renda. Estes dados foram apontados pelo grupo Evitando Morte Materna e Deficiência (AMDD, em inglês), da Escola de Saúde pública da Universidade de Columbia Mailman.

A OMS ainda apresentou que a precarização da higiene nas estruturas de saúde matou pelo menos 900 mil recém-nascidos em todo o planeta, enquanto os números gerais de mortes de bebês estão em torno de 2,7 milhões anuais.

A análise da organização diz também que, cerca de 20% dos hospitais em todo o mundo, não contam sequer com banheiros adequados e que um montante de 1,5 bilhão de pessoas no mundo são afetadas com a falta de estrutura.

Sobre a ANADEM
Criada em 1998, a Sociedade Brasileira de Direito Médico e Bioética (ANADEM) promove o debate sobre problemas relacionados ao exercício profissional da medicina. Por meio da análise de discussões relacionada a esse tema, a ANADEM apresenta soluções não só no campo jurídico, mas em todas as áreas de interesse do médico associado.


Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.