A Subsecretaria de Vigilância Sanitária do Rio fechou o primeiro dia da Operação Carnaval no Sambódromo contabilizando 59 inspeções. Na ação que começou às 18h, os fiscais vistoriaram todas as 41 lanchonetes já em funcionamento na Passarela do Samba nesta sexta-feira, 21, início dos desfiles que anunciaram a maior festa do planeta. Na fiscalização, as únicas irregularidades identificadas foram sanduíches prontos em uma lanchonete do Setor 8 mantidos em temperatura muito abaixo da adequada (30 graus, quando o mínimo é 60) e tabuleiros no chão e outros aspectos em uma pizzaria no Setor 12 que caracterizaram falta de higiene.

Ao todo, foram registradas seis infrações e descartados três quilos de sanduíches. A Operação Carnaval segue neste sábado, 22, com mais inspeções e ações educativas no estande que o órgão mantém no Setor 7, onde uma equipe da Secretaria Municipal de Saúde aplicará a vacina contra sarampo até segunda-feira, 24, sempre das 17h às 20h, com a meta de imunizar, pelo menos, 500 pessoas por dia. À frente da Vigilância Sanitária do Rio, a subsecretária Márcia Rolim atribui o baixo número de irregularidades às mais de 1.500 inspeções prévias feitas desde 8 de janeiro, quando o órgão deu início à Operação Carnaval.

– As prévias são essenciais para orientarmos e corrigirmos as irregularidades, minimizando os riscos à saúde da população. Em pouco mais de 40 dias, percorremos a cidade fiscalizando bares, hotéis, restaurantes, estúdios de tatuagem, salões de beleza, consultórios médicos, pets e fábricas e distribuidoras de gelo, produto muito consumido nesta época. Fizemos 448 intimações com exigências a serem cumpridas, 49 interdições (14 delas totais) e 585 infrações, a maioria por falta de higiene e ausência de licença sanitária, documento que deve estar visível para que o consumidor confira se o estabelecimento está licenciado por nós – destaca Márcia Rolim.

Outras ações – Ainda neste primeiro dia de atuação no Sambódromo, técnicos do Laboratório Municipal de Saúde Pública (Lasp) coletaram 17 amostras de alimentos, e os resultados devem sair na próxima segunda-feira. Pela primeira vez, o laboratório que fica em São Cristóvão, no Complexo Zona Norte da Vigilância, funciona todos os dias de carnaval, com plantão para análises de saladas, caipirinha e outros alimentos.

– Nosso objetivo é conferir, no menor espaço de tempo possível, a qualidade dos alimentos já prontos para servir e, caso haja alguma alteração, agirmos rápido para contermos as doenças transmitidas por alimentos. Com as análises podemos identificar se há alteração e adotar orientações e outras ações cabíveis, até mesmo para que os produtos deixem de ser comercializados.  São medidas de prevenção e controle que contribuem para a redução de riscos à saúde da população – explica a médica-veterinária Roberta Ribeiro, coordenadora do Lasp.

Entre as ações realizadas no Sambódromo, técnicos iniciaram as inspeções na estrutura de saúde, verificando neste primeiro dia nove ambulâncias e três postos de atendimento médico, com tudo dentro das normas. Banheiros e as áreas de gerenciamento de resíduos também foram vistoriadas, trabalho que será mantido durante todos os dias do evento na Passarela do Samba, Terreirão e entorno. Responsável pelo estande que a Vigilância opera pelo terceiro ano consecutivo no Setor 7, a Superintendência de Educação distribuiu mais de 200 panfletos e participou da fixação de adesivos em sanitários alertando para a necessidade da higienização das mãos após o uso do banheiro. Além do Lasp, a Operação Carnaval na área do Sambódromo reúne técnicos das coordenações de Fiscalização Sanitária, de Alimentos, de Engenharia e de Saúde, e ainda do Núcleo de Inspeção e Fiscalização dos Ambientes de Trabalho (Nifat). São 73 fiscais distribuídos em equipes que vão atuar até terça, 25, e retornam em 1º de março, dia do desfile das Campeãs.

Atuação em blocos – A Vigilância confere também a estrutura de saúde (ambulâncias e postos médicos) oferecidas em blocos. Nas últimas duas semanas até quinta-feira, dia 20, foram 40 inspeções. Nesta sexta, 21, as equipes fiscalizaram mais 13 blocos em Bangu, Méier, Centro e Santa Tereza, onde desfilou o tradicional Carmelitas. Ao todo, foram aplicadas sete multas por falta de licença e até de ambulância em dois pontos inspecionados. A partir deste sábado, 22, serão vistoriados 20 blocos por dia.

– Nesses três anos priorizamos as prévias que nos permitiu reduzir consideravelmente as irregularidades, penalidades e riscos. E este ano aumentamos nossa atuação nos blocos, até por conta do aumento desse tipo de evento, exigindo uma ação maior de fiscalização – explicou Márcia Rolim.

Roteiro do dia – O roteiro de inspeção de blocos neste sábado, 22, começou às 9h, com o Escangalha, seguida de atuações no Carrossel das Emoções, Blocão da Barra, Show do Antônio Carlos, Multibloco e Cordão do Bola Preta. As equipes seguem vistoriando o Terreira da Cearense (às 12h, na Quinta da Boa Vista), Beco do Rato, Bloco 10 e Music, Barbas (Botafogo), Amigos da Onça (Flamengo), Amigos do Catete, Pinta mas não Borra, Elymar para Pular (Irajá), Turma do Gato Futebol e Samba (Engenho de Dentro), Fome Zero (Madureira), Unidos da Travessa Miracema (Méier), Primeiro Amor, Olha Prá Mim e Cordão Alegria da Tijuca. Nenhuma irregularidade foi identificada nos sete blocos já inspecionados.    

Fonte: Secretaria Municipal de Saúde - Prefeitura do Rio