Brasília - Sebrae promove a campanha: Compre do Pequeno Negócio, durante o Mercado do Produtor Rural (José Cruz/Agência Brasil)

Serviço de Vigilância Agropecuária Internacional evitou entrada de 392 pragas vivas no Brasil

Este foi o resultado de operações conjuntas na fronteira de Foz do Iguaçu (PR) com o Paraguai, apresentado nesta sexta-feira (2/7), a representantes de empresas paraguaias e servidores do Ministério da Agricultura.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Nos últimos seis meses, as operações integradas entre o Serviço de Vigilância Agropecuária Internacional de Foz do Iguaçu/PR (Vigiagro-Foz) e o Servicio Nacional de Calidad Y Sanidad Vegetal Y de Semillas (Senave), do Paraguai, impediram a entrada de 392 pragas vivas (insetos), evitando prejuízos à saúde e à produção agrícola brasileira. Esses insetos foram identificados em 294 importações. A maioria estava presente em cargas de arroz, milho, trigo e soja em grãos

Esse é o resultado de inspeções fitossanitárias conjuntas, realizadas na Área de Controle Integrado de Cidade do Leste/PY, nos últimos seis meses, e foram apresentadas hoje a servidores do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), do Senave e de representantes dos recintos e empresas paraguaias, exportadores, transportadores, despachantes aduaneiros e importadores brasileiros, de forma virtual, organizado pelo Vigiagro de Foz do Iguaçu (PR)/Mapa.

O evento trouxe ainda a visão geral de como é feito esse processo de inspeção na fronteira dos dois países, desde a verificação das cargas até a estimativa de análises realizadas. O auditor fiscal federal agropecuário, Fernando Mendes, que atua diretamente na inspeção em Foz, destacou a importância do trabalho conjunto entre os dois órgãos de controle fitossanitário, para agilizar todo o processo de interceptação das pragas até a liberação das cargas. “Hoje, os protocolos são eletrônicos, assim como documentos, formulários e até atendimento, feito pelo whatsApp”, informou o auditor, que apresentou os principais números das inspeções realizadas de dezembro/20 a maio deste ano.

O auditor revelou que nesse período de seis meses as ações de controle e fiscalização resultaram em quatro interceptações de pragas quarentenárias ausentes no brasil, de três diferentes espécies. E chamou a atenção para as responsabilidades na interceptação de pragas pelo sistema Vigiagro, nas importações. “O grande número de interceptações denota a necessidade de um aperfeiçoamento na gestão do controle de pragas nos armazéns e silos dos exportadores, de modo a reduzir esse número de quase 400 pragas interceptadas em apenas seis meses de operação “, enfatizou Fernando.

Prejuízos

A importância do trabalho realizado em conjunto para evitar grandes prejuízos à produção agrícola também foi destacado pelo chefe do Vigiagro em Foz, Adinan Galina. “Nosso objetivo é evitar a introdução de pragas quarentenárias ao mesmo tempo que

garantimos o atendimento dos padrões de qualidade dos produtos vegetais que ingressam no país”, reforçou. Nesse processo, a apresentação também destacou a importância da análise fitossanitária laboratorial das amostras interceptadas, que em Foz são feitas pelo Laboratório Agronômica, o que acelera a liberação das cargas.

Segundo Fernando Mendes, a agilidade e eficiência que a operação tem alcançado só é possível graças a atuação conjunta e articulada entre os dois órgãos (Mapa e Senave-PY) e pela existência de apoio laboratorial da rede credenciada de defesa agropecuária na cidade de Foz do Iguaçu/PR. “Os caminhões são amostrados uma única vez, em conjunto entre as autoridades dos dois países, e então submetidos a inspeção de qualidade e fitossanitária. Com essa metodologia centenas de caminhões são fiscalizados e liberados no mesmo dia, reduzindo custos dos usuários e incrementando a competitividade desse ponto de fronteira”, explicou Fernando e destacou que todas as interceptações foram realizadas ainda em território paraguaio, eliminando o risco, antes mesmo do ingresso das cargas no Brasil. “Em termos sanitários é uma segurança adicional para o Brasil”, frisou o auditor.

Dez anos de história

A reunião lembrou ainda a trajetória da Área de Controle Integrado de Cidade do Leste – PY desde julho de 2011, quando o Mapa atuou pela primeira vez fiscalizando produtos hortícolas e cargas de soja. Desde então, a estrutura física, procedimentos de atuação conjunta e legislação amadureceram muito, permitindo alcançar os resultados atuais. Quase 400 pragas interceptadas e devidamente identificadas em nível de espécie em laboratório de Rede Mapa é um resultado que traz muito orgulho aos envolvidos nesse trabalho, segundo Fernando.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.