São Paulo registra queda de 74% de óbitos por Aids, diz Fundação Seade

Em 24 anos, número de mortes pela doença caiu de 7,7 mil para 2 mil.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

O número de mortes em decorrência da Aids (síndrome da imunodeficiência adquirida) caiu 74% no estado de São Paulo, 24 anos depois do pico de óbitos pela doença. Segundo o Panorama de Mortalidade por Aids no estado de São Paulo, contido na nova edição da série SP Demográfico, elaborada pela Fundação Seade (Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados Estatísticos), houve 2.049 mortes em 2019, 5.690 a menos em comparação com o total de 1995, quando foi atingido o recorde histórico de 7.739 de óbitos por aids em um ano.

De acordo com o levantamento, em mais de duas décadas, a taxa de mortalidade despencou, caindo de 22,9 óbitos por 100 mil habitantes em 1995 para 4,6 em 2019. A queda foi maior entre o público masculino – 5.850 homens faleceram em 1995 contra 1.397 em 2019, uma redução de 76,1%. Entre as mulheres, a queda foi de 65,4%, com 1.889 óbitos contra 652 nesses anos. Conforme as análises da fundação, os números indicam que houve mudança de comportamento sexual, já que as mortes ocorriam mais entre homens, com a proporção de seis óbitos entre eles para um entre mulheres em 1990, caindo para três para um em 1995 e mantendo-se em dois para um até 2019.

A fundação diz que a queda nos números deve-se às estratégias de prevenção, testagem e tratamento para controle da doença, principalmente depois da descoberta dos antirretrovirais em meados da década de 1990. “A descoberta precoce da doença e utilização dos medicamentos adequadamente, em tempo oportuno, tem auxiliado na redução do agravamento da doença e, consequentemente, da mortalidade, aumentando assim a expectativa de vida para os que vivem e convivem com a doença, para a qual ainda não foi identificada a cura.”

O coordenador do Programa Estadual DST/Aids-SP, Alexandre Gonçalves, lembrou que, quando o primeiro caso da doença foi descoberto em 1980, a doença ainda não tinha tratamento ou cura, mas, ao longo dos anos, diversos estudos e projetos científicos foram criados e contribuíram para o surgimento de um tratamento, e esses estudos continuam visando à descoberta da cura.

“Enquanto isso não acontece, seguiremos focados na prevenção e no tratamento com medicamentos, pois nosso objetivo é que todos tenham acesso a um cuidado adequado e possam continuar a viver, porque é possível viver mesmo tendo a doença. O tratamento é o caminho, e é fundamental que os pacientes sigam corretamente, pois, só assim, veremos esses índices terem ainda mais queda ao longo dos anos”, disse Gonçalves.

Ele ressaltou que o Centro de Referência e Treinamento DST/Aids-SP, criado em 1988, tem lutado para que medidas de prevenção, testagem e tratamento estejam disponíveis para todos por meio do Sistema Único de Saúde (SUS) em São Paulo, ampliando seu alcance e servindo de exemplo para diversos estados. “Temos lutado a cada ano para melhorar a vida das pessoas que têm aids e evitar que mais pessoas adoeçam, destacando sempre a importância da prevenção.”

Ainda segundo os dados da Fundação Seade, a mortalidade por Aids caiu nas 17 regiões do estado em 2019.

Na comparação com 1995, além do Vale do Ribeira (Registro), as taxas ficaram abaixo de 4,9 em dez regiões: Grande São Paulo, Araçatuba, Bauru, Campinas, Franca, Marília, Piracicaba, Presidente Prudente, Registro, São João da Boa Vista e Sorocaba. E seis regiões que ultrapassaram a proporção de 20 óbitos por 100 mil habitantes 24 anos atrás, hoje têm taxas inferiores a oito: Baixada Santista (7,6), Barretos (5,7), Araraquara (5,5), Vale do Paraíba (5,5), São José do Rio Preto (5,2) e Ribeirão Preto (5,1).

Fonte: Agência Brasil

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.