Rumo a Tóquio: a catarinense que enfrentou desafios pessoais para chegar às Olimpíadas

A atleta, que iniciou as primeiras corridas aos 9 anos, interrompeu a carreira pela doença do pai, voltou às pistas após dois anos e, agora, disputa a prova de 3.000m com obstáculos no maior evento poliesportivo do mundo.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Convocada para as Olimpíadas de Tóquio, Simone Ponte Ferraz figura na equipe do 3.000m com obstáculos. O chamado da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) chegou para coroar uma caminhada longa, árdua e que trouxe muitas mudanças.

Os resultados a levaram ao Top 40 do ranking olímpico e a manteve sempre entre as maiores candidatas pelas vagas. Não à toa, a CBAt confirmou a expectativa e tornou Simone a primeira atleta, natural ou radicada em Jaraguá do Sul, a chegar em uma Olimpíada. Simone é da equipe APA/FME, pela qual compete.

A trajetória da “garota de ouro do atletismo catarinense”

Nascida em Ponte Serrada, oeste de Santa Catarina, fez suas primeiras corridas aos 9 anos de idade. A primeira experiência foi no salto em distância, mas logo mostrou que seu forte era a velocidade. Mesmo tão nova e com pouca prática, a jovem virou destaque em corridas de rua, ‘maratoninhas’ e Jogos Escolares.   

Em 2003, quando já estava conhecida entre as categorias menores no oeste catarinense, Simone precisou se ausentar do esporte: seu pai adoeceu e se tornou a prioridade da atleta. Foram dois anos sem pisar nas pistas, totalmente dedicados à recuperação do pai, com a ajuda do irmão.

Foi em 2005 que Simone retomou as atividades. Mesmo com a desvantagem de permanecer tanto tempo afastada do esporte, somada aos desafios comuns de ser notada em meio à tanta concorrência, a carreira de Simone começou a deslanchar.

Naquele mesmo ano, representou Xanxerê – município vizinho a Ponte Serrada -, e se destacou na Olesc, vencendo e batendo recorde das provas de 800m e 1.500m. Em uma importante competição local, representou Xanxerê (município vizinho a Ponte Serrada) e bateu o recorde das provas de 800m e 1.500m. Não demorou para a menina chamar a atenção dos veteranos.

Em 2006, o técnico Adriano Moras, ícone da história do atletismo de Jaraguá do Sul, viajou até Ponte Serrada para trazer a nova promessa das pistas ao norte de Santa Catarina. Simone passou a competir pela equipe jaraguaense, onde está até hoje.

Foram oito temporadas consecutivas, competindo pelo município, obtendo recordes e conquistas em campeonatos estaduais e nacionais. Algumas já nos conhecidos 800m e 1.500m, mas ganhou ainda mais visibilidade quando encarou os 3.000m com obstáculos, mostrando que tinha muito mais a oferecer. Após uma sequência de vitórias, a “jaraguaense de Ponte Serrada” chegou a ser chamada de ‘A garota de ouro do atletismo catarinense’.

Hoje, Simone Ferraz ostenta o recorde do Jasc no 3.000m com obstáculos, tem a quinta melhor marca do Brasil na história, é medalhista sul-americana e bateu recorde do Estadual mais de cinco vezes, o que a transformou em figura frequente na seleção brasileira, a ponto de levá-la ao maior evento poliesportivo do mundo.

“Em meio à pandemia e às dificuldades que tivemos no último ano, eu consegui manter a disciplina, o foco e a determinação, principalmente com o apoio de parceiros como a Zaiden Fitness. Acredito que só quando estiver no Japão, vou poder mensurar a grandiosidade de toda esta conquista”, comemora a atleta.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.