Receita Federal intercepta mais de uma tonelada de cocaína misturada a gordura vegetal em Santos

Carga precisou ser aquecida para a retirada da droga.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Em uma das operações mais complexas com que a Alfândega da Receita Federal em Santos já se deparou, equipes da Unidade interceptaram mais de 1.273,50 kg de cocaína, cuidadosamente ocultos em um carregamento de gordura vegetal, que tinha como destino Portugal. A carga de 23 toneladas de gordura estava acondicionada em um isotank, tipo de contêiner utilizado para transportar granéis líquidos. Devido às características do produto, que em temperatura ambiente se solidifica, a retirada dos tabletes de cocaína tornou-se um desafio.


A operação teve início durante as atividades de rotina desempenhadas pelas equipes de vigilância e repressão da Alfândega da Receita Federal em Santos. A gestão de riscos e as imagens de escâneres foram determinantes para a seleção do contêiner.


A inspeção física, feita no dia 23 de junho, mostrou uma carga sólida e com indicativo de contaminação. A Polícia Federal foi informada dos fatos e compareceu ao local para um trabalho conjunto que demorou cerca de 48h.
Para a retirada dos tabletes, a carga precisou ser aquecida até transformar-se em um líquido viscoso, mas que em pouco tempo voltava a solidificar-se. Como forma de contornar o problema, assim que aquecida, a carga foi drenada para outro isotank, com posterior resfriamento do contêiner contaminado.


Trajes apropriados para evitar o contato com a pele, proteção dos olhos e vias respiratórias foram utilizados para a extração dos 1.273,50 kg de cocaína. Durante o período da manhã desta sexta (25), foram retirados mais de 400 kg da droga. O restante foi retirado no período da tarde.


A Polícia Federal prosseguirá com as investigações. A Receita Federal fornecerá todas as informações disponíveis sobre esse carregamento de exportação, resultando em um novo inquérito policial ou trazendo novos elementos para os que estão em curso.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.