Reprodução da TV

Prefeitura de Petrópolis abre leitos para internação de pacientes não contaminados pela Covid-19

A medida, adotada inicialmente no Hospital Alcides Carneiro e no Hospital Clínico de Corrêas, agora está sendo implementada também no Hospital Municipal Nelson de Sa Earp.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A redução na demanda por internações de pacientes com covid-19, que vem sendo registrada desde o início do mês de junho, abriu caminho para uma importante mudança na rede: a Secretaria de Saúde está trabalhando na reestruturação do sistema, aproveitando vagas ociosas antes destinadas a pacientes infectados pelo coronavírus para ampliar o número de leitos clínicos e de UTI para a internação de pacientes com doenças não relacionadas à covid-19.

A medida, adotada inicialmente no Hospital Alcides Carneiro e no Hospital Clínico de Corrêas, agora está sendo implementada também no Hospital Municipal Nelson de Sa Earp, onde 34 leitos antes destinados a pacientes com covid-19 agora, após desinfecção, atendem pessoas com outras doenças.


A reversão de leitos foi possível com a queda sustentada na demanda por internação de pacientes com covid-19 nos últimos 45 dias. “Estamos acompanhando os dados e observamos queda significativa na demanda por leitos covid-19. Por outro lado, tivemos aumento na demanda por leitos não covid. Mantivemos o monitoramento e agora, com responsabilidade e planejamento, estamos fazendo a reversão. Iniciamos o trabalho e, com cuidado, organizamos a mudança, garantindo o isolamento das áreas que permanecerão com os pacientes infectados pelo coronavírus”, explica o secretário de Saúde Aloisio Barbosa da Silva Filho, lembrando que a Secretaria faz o monitoramento constante das internações em leitos covid e não covid.


Os números:


O percentual de internações em leitos de UTI covid, que em 30 de março chegou a 99,7% na rede pública, desde 7 de junho se mantém abaixo de 50%, estando na quarta-feira em 44,32%. A redução na demanda também é observada em leitos clínicos, cuja taxa de ocupação chegou a 93% em 1º de abril e, na última quarta-feira (14/07), estava em 20,90%.
“A rede de Saúde viveu um período de estresse em março e abril deste ano, com um pico de casos de covid-19. A cidade chegou a registrar 374 pacientes internados no início de abril – considerando leitos públicos e privados.

Com planejamento, conseguimos ampliar a oferta de leitos covid para pacientes do sistema público no município e atender a demanda”, explica o secretário Aloisio Barbosa, lembrando que a Prefeitura conseguiu ampliar a o número de leitos, chegando a ofertar 124 leitos de UTI na rede SUS, entre leitos próprios e conveniados.


“Assim a rede conseguiu absorver toda demanda, evitando que os petropolitanos precisassem ser transferidos para outros municípios. Com a queda verificada nos últimos 45 dias, parte destes leitos começaram a ficar ociosos. A reversão permitiu que estes leitos fossem liberados para atender pacientes que precisam de internação, por conta de outras doenças”, diz.


Com a queda na demanda de pacientes com covid, no Hospital Nelson de Sá Earp, 34 leitos estão sendo revertidos para atender pacientes com doenças não relacionadas a covid-19 – toda área do segundo andar do hospital. São 24 leitos clínicos e 10 leitos de UTI disponibilizados para pacientes com doenças não relacionadas à covid-19.
“Temos observado nos últimos 45 dias uma diminuição brusca dos casos moderados graves no HMNSE, o que nos permitiu liberar todo o segundo andar do hospital e fazer esta reversão de leitos”, explica o infectologista e diretor médico do HMNSE, Marco Liserre, que avalia que a redução na demanda de pacientes com quadro grave da doença já é um reflexo da vacinação dos petropolitanos.


“Desde o início da pandemia nós, especialistas em doenças infecciosas, temos falado que a única forma plausível de controle da pandemia é com a vacinação. Em Petrópolis, o prefeito Hingo Hammes e o secretário de Saúde Aloisio Barbosa vêm trabalhando para acelerar este processo de vacinação. Estamos à frente de muitas outras cidades do interior. Temos mais de 50% da população que já recebeu a primeira dose.

Espera-se que até o fim de agosto toda população acima de 18 anos já esteja sendo vacinada com a primeira dose e uma boa parte da população também tenha recebido a segunda dose. Isso permitirá um controle da pandemia, com redução maior nos casos graves e nas internações”, avalia, lembrando que o departamento de Epidemiologia da Vigilância em Saúde tem um trabalho reconhecido.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.