Cristiano Fontes Aro / Arquivo pessoal

Prazo final para declarar imposto de renda é 30 de junho

Devido à pandemia do coronavírus o prazo final para a entrega da Declaração do Imposto de Renda foi adiado

Devido à pandemia do coronavírus o prazo final para a entrega da Declaração do Imposto de Renda foi alterado para 30 de junho. Você já preencheu sua declaração?

Mesmo próximo do término do prazo, o contador Cristiano Fontes Aro, diretor da empresa Aro Contabilidade, disse ser importante explicar quais são as situações que obrigam o contribuinte à entrega desta declaração para a Receita Federal. Segundo ele, o adiamento se dá também por parte dos contribuintes, que ficam com dúvidas sobre algumas questões e acabam esquecendo de recorrer a um profissional para ajudar, preenchendo muita das vezes a declaração de forma incorreta.

Confira abaixo quais são as situações que obrigam o contribuinte à entrega:

  • Os que receberam rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 durante o ano de 2019, como salários, honorários, férias, comissões, pró-labore, receita com aluguel de imóveis, pensões, entre outros;
  • Todos que receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte superior a R$ 40.000,00 durante o ano de 2019, como por exemplo: alimentação, transporte e uniformes fornecidos pela empresa de forma gratuita, reembolso de viagens em geral, salário-família, entre outros;
  • Quem recebeu em qualquer mês, dinheiro por conta de alienação de bens e direitos – em que o IR incida – ou então realizaram operação em bolsas de valores, mercadorias, futuro ou semelhantes;
  • Teve em 31.12.2019 bens ou direitos no valor total superior a 300 mil, somando todos os bens;
  • Aqueles que passaram à condição de residente no Brasil e se mantiveram até 31.12.2019;
  • Todos que venderam imóveis residenciais e obtiveram ganho na operação, mesmo que tenha comprado outro imóvel em um prazo de 180 dias e usaram da regra de isenção do imposto de renda;
  • Quem exerce atividade rural e teve receita bruta acima de R$ 142.798,50 ou que pretende compensar prejuízos de anos anteriores ou até mesmo de 2019.

Cristiano explica ainda que, caso o contribuinte não se enquadre em nenhum dos casos de obrigatoriedade, ou foi declarado como dependente no IRPF de outro contribuinte, fica dispensado da entrega.

Mas ele alerta que há vantagens significativas para quem declarar, mesmo que esteja dispensado do preenchimento. “Mesmo sem estar obrigado à entregar, declarar seus rendimentos e despesas pode ter uma série de vantagens, podendo ser utilizada como comprovante de renda em empréstimos e financiamentos ou até mesmo garantindo uma restituição de imposto”, diz o Cristiano Aro.

Para orientar os contribuintes, a empresa Aro Contabilidade disponibilizou o Guia Anual com informações, dúvidas com respostas, quem é obrigado a declarar e muito mais.

Além disso, a empresa oferece o serviço de declaração anual do Imposto de Renda de Pessoas físicas durante todo o ano. Dicas e orientações podem ser obtidas através do site da empresa, no endereço: www.arocontabilidade.com.br .

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

veja também