Imagem: Pixabay

Poluição no ar pode aumentar risco de obesidade em bebês

O estudo, publicado na revista Environmental Health, afirma que o risco é maior entre populações minoritárias que tendem a viver em locais com maior exposição a poluentes tóxicos.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Um estudo feito por pesquisadores da Universidade de Colorado em Boulder, nos Estados Unidos, analisou mães e filhos hispânicos e sugeriu que a má qualidade do ar pode contribuir, ao menos em parte, com a epidemia de obesidade que assola o país. O estudo, publicado na revista Environmental Health, afirma que o risco é maior entre populações minoritárias que tendem a viver em locais com maior exposição a poluentes tóxicos.

Segundo o estudo, grávidas expostas a níveis elevados de poluição do ar têm bebês que crescem excepcionalmente rápido nos primeiros meses após o nascimento – acumulando excesso de gordura que as coloca em risco de obesidade e doenças relacionadas ao sobrepeso no futuro. O artigo afirma ainda que cerca de um em cada quatro jovens hispânicos nos Estados Unidos são obesos, enquanto apenas cerca de 14% dos jovens brancos e 11% dos jovens asiáticos desenvolvem o problema.

“As taxas mais altas de obesidade entre certos grupos em nossa sociedade não são simplesmente um subproduto de escolhas pessoais como exercícios e calorias ingeridas, calorias eliminadas. É mais complicado do que isso”, afirma a autora sênior do estudo, Tanya Alderete, que é professora do Departamento de Fisiologia Integrativa da universidade. “Este estudo e outros sugerem que [a obesidade] também pode se relacionar com a quantidade de carga ambiental que uma pessoa carrega”, disse.

Pesquisas anteriores mostraram que mulheres grávidas que fumam ou são cronicamente expostas à poluição do ar tendem a ter bebês com peso menor ao nascer – o que os faz correr para alcançá-lo no primeiro ano de vida, ganhando peso com uma rapidez incomum. O fato tem sido associado a diabetes, doenças cardíacas e problemas de peso na infância e adolescência.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.