Polícia Civil prende proprietários de asilo clandestino no Rio

Na ocasião, foi constatada situação de exposição grave a perigo de 11 idosos.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Policiais civis da Delegacia Especial de Atendimento à Pessoa da Terceira Idade (DEAPTI) prenderam em flagrante os proprietários de um asilo clandestino em Santíssimo, na Zona Oeste do Rio. O estabelecimento foi interditado. A ação aconteceu, nesta sexta-feira (09/07), em conjunto com as secretarias municipais de Envelhecimento Saudável e Qualidade de Vida, de Assistência Social e de Saúde.

Após a delegacia receber um relatório do Instituto Municipal de Vigilância Sanitária informando o funcionamento de um abrigo clandestino naquela localidade, os agentes realizaram diligências até o local. Na ocasião, foi constatada situação de exposição grave a perigo de 11 idosos.

Segundo os agentes, o estabelecimento estava em situações insalubres, assim como os idosos. Foram encontradas camas em posição vertical para facilitar a drenagem da urina, banheiros sem portas e sem assentos, ausência de fraldas geriátricas e fezes de ratos na área de lavanderia.

Ainda de acordo com os policiais, os idosos estavam desnutridos e alguns desidratados, outros com escabiose (sarna). A alimentação deles era à base de arroz, macarrão e salsicha, inclusive para os diabéticos, que estavam com a saúde severamente comprometida. Além disso, o asilo não possuía corpo técnico adequado, como médico responsável, enfermeiros ou nutricionistas, e os cuidadores e cozinheiros não possuíam certificação.

Os idosos foram assistidos pelas equipes que participaram da ação. Quatro foram entregues aos familiares, cinco realocados em abrigos da prefeitura e dois, que estavam em situação mais delicada de saúde, precisaram ser internados em unidade hospitalar.

O asilo não possuía alvará de funcionamento, CNPJ e demais autorizações dos órgãos competentes, assim como não celebrava qualquer contrato de prestação de serviços com os idosos. A administração também mantinha os documento e cartões bancários dos usuários retidos. O casal, identificado como os proprietários, vão responder por crimes contra idosos.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.