A subprocuradoria-geral da Justiça de Assuntos Criminais e de Direitos Humanos (SUBCDH), órgão ligado ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), reiterou na tarde desta terça-feira (10), o pedido de suspensão do vereador Paulo Igor da Silva Carelli, o Paulo Igor (MDB) do exercício da função pública. De acordo com a decisão, há indícios sérios e graves que justificam tal medida.

O pedido assinado pela desembargadora Katia Maria de Paula Menezes Monnerat, ressalta que a decisão tem como base a suspeita dos vários crimes imputados, como corrupção passiva, peculato, fraude à licitação, lavagem de dinheiro, entre outros, levantando fortes e graves os indícios de que, por anos a fio, o vereador valeu-se de seu cargo e de Presidente da Casa legislativa para auferir ganhos espúrios.

A desembargadora Katia Maria Monnerat havia indeferido, inicialmente, no processo investigatório, o afastamento de Paulo Igor, por ele já estar afastado por decisão proferida na Medida cautelar, porém, as medidas cautelares adotadas foram revogadas sob o argumento de excesso de prazo. Por esse motivo, o argumento não se presta ao presente caso, por ser posterior. Somado a isto, há um terceiro procedimento investigatório em andamento contra Paulo Igor, pelo crime de embaraço às investigações. O afastamento do cargo não é definitivo.