Terminal de ônibus urbano na Rodoviária do Bingen, em Petrópolis, amanheceu sem coletivos circulando — Foto: Daniel Moreira / Arquivo Pessoal

MPRJ ajuíza ação para que seja restabelecida frota integral no serviço de ônibus em Petrópolis

Segundo o MPRJ, a redução de oferta no serviço (menos veículos, menos horários, menos passageiros por veículo) vem causando filas e aglomerações nos pontos de ônibus e terminais rodoviários, acarretando riscos à saúde dos usuários do sistema de transporte e à saúde coletiva, ante o incremento da transmissibilidade do vírus.

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio da 2ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva do Núcleo Petrópolis, ajuizou ação civil pública contra o Município de Petrópolis e a Companhia Petropolitana de Trânsito e Transporte (CPTRANS) para que seja restabelecida a frota integral de ônibus nas ruas da cidade, com todos os horários, viagens, linhas e itinerários disponíveis antes da pandemia de Covid-19.

A ação narra que as medidas de isolamento social resultaram, em um primeiro momento, na redução da demanda pelo serviço público de passageiros por ônibus na cidade – acarretando na diminuição na oferta. Desde junho, no entanto, deu-se início ao processo de flexibilização do isolamento social e retomada das atividades econômicas, estando, atualmente, praticamente todas as atividades socioeconômicas já em funcionamento.  Ocorre que, apesar do consequente aumento na demanda, ainda não há oferta integral do serviço, com diversas linhas circulando com horários e frota reduzida e outras simplesmente suprimidas.

Segundo o MPRJ, a redução de oferta no serviço (menos veículos, menos horários, menos passageiros por veículo) vem causando filas e aglomerações nos pontos de ônibus e terminais rodoviários, acarretando riscos à saúde dos usuários do sistema de transporte e à saúde coletiva, ante o incremento da transmissibilidade do vírus. O MPRJ também ressalta que o aumento do tempo de espera decorrente da redução da oferta, a supressão de linhas e a alteração de itinerários causa danos aos usuários, configurando falha na prestação do serviço, por violação à eficiência, comodidade e continuidade.

Diante dos fatos, o MPRJ requer que o Município de Petrópolis e a CPTRANS sejam condenados a restabelecer a situação anterior no que se refere ao sistema público de transporte público coletivo por ônibus em Petrópolis, determinando e garantindo que as prestadoras do serviço operem com frota integral e com observância de todos os horários, viagens, linhas e itinerários estabelecidos anteriormente à pandemia, respeitando-se as normas de distanciamento social, enquanto vigentes.

Requer, ainda, o pagamento de multa em valor não inferior a R$ 300 mil, por eventual descumprimento das medidas. A ação foi recebida pelo Juízo da 4ª Vara Cível da Comarca de Petrópolis.

A Prefeitura de Petrópolis informa que está ciente da Ação Civil Pública. Tão logo seja convocada, irá prestar os esclarecimentos.

“O governo municipal está ciente da Ação Civil Pública impetrada pelos MPs estadual e federal para o aumento da oferta de transporte público urbano. A justiça recebeu a ação e vai determinar que sejam prestadas informações, além de designar uma sessão para tratar do assunto. A prefeitura, tão logo seja convocada, irá prestar os esclarecimentos devidos e irá aguardar a audiência”, diz a Prefeitura de Petrópolis

O Setranspetro também se manifestou.

“O Setranspetro informa que as empresas de ônibus aguardam a oportunidade para prestar todos os esclarecimentos possíveis sobre a grave crise econômica e financeira que está afetando o setor de transporte, fato, inclusive, já reconhecido pelo próprio ministro da economia. Além disso, o Setranspetro conta com a ajuda de todas as esferas públicas para apresentar e buscar alternativas que permitam a continuidade do serviço no município”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

veja também