Foto: Reprodução

Médico aponta que metabolismo lento não é o único grande vilão do emagrecimento

Segundo o médico Dr. Lucas Costa Felicíssimo, dificilmente um fator específico será o responsável pela dificuldade em eliminar gorduras
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Perder peso é um desejo que ronda o imaginário de grande parte da população brasileira. Não é para menos, pouco mais da metade dos habitantes do país apresentam sobrepeso — especificamente 55,7% ou uma a cada cinco pessoas — de acordo com dados da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), promovida pelo Ministério da Saúde. 

Entre os que tentam sair desta estatística e enfrentam dificuldades no processo de emagrecimento, uma frase é comum: “meu metabolismo é lento”. Apesar de avaliações das taxas metabólicas serem importantes em casos com esse objetivo, a velocidade de funcionamento do organismo não é um o único “vilão” da equação. 

“Você não precisa ter um metabolismo lento para ter dificuldade em emagrecer. Esse cenário é uma regra e não uma exceção, em especial quando são analisadas as características dos pacientes brasileiros. É um processo que é difícil sempre, pois a tendência do corpo é querer se manter no peso em que está, não é espontâneo”, argumenta o Dr. Lucas Costa Felicíssimo, médico da Medicina Integrativa. 

O processo de perda de peso se dá por um conjunto de fatores que, somados, alinharão a busca por um corpo mais magro com ganhos na saúde. Alimentação balanceada, em quantidades suficientes, e rotina regular de exercícios são aspectos que devem ter relevância maior no processo. O emagrecimento só ocorre em situação de déficit calórico — quando é gasta mais energia que a consumida. 

“É comum que as pessoas tentem procurar problemas específicos para a dificuldade. O mesmo ocorre com a tireoide. Ainda que fora de controle, o ganho de peso que essa disfunção pode trazer não é suficiente para levar pessoas à obesidade. Indiretamente, sintomas como sensação de estar cansado e o sedentarismo consequente, assim como uma alimentação desregrada, são os catalizadores desse quadro”, exemplifica o Dr. Lucas Costa Felicíssimo.

Dr. Lucas Costa Felicíssimo

As dificuldades com relação ao metabolismo, porém, não são uma mentira. A associação entre peso e metabolismo se dá pelo processo de gastos de calorias do corpo e um dos grandes responsáveis por isto é o metabolismo basal – taxa que corresponde ao quanto o organismo queima em repouso. “Esse índice diz quanto de energia é preciso para manter as funções vitais, tais quais batimento cardíaco, a respiração e o sono. Essa é a maior parte da energia consumida diariamente, variando entre 60 a 70% do gasto calórico total. Quando essa taxa está mais baixa, o corpo utiliza menos energias para essas funções, o que faz com que pessoa tenha problemas mesmo seguindo a dieta”, aponta.

Afinal, é possível acelerar o metabolismo?

Sim! Segundo o Dr. Lucas Costa Felicíssimo, as taxas não são permanentes, mas um mecanismo flexível. O metabolismo reage às condições de vida do indivíduo como a prática de exercícios e em especial a alimentação: comer de forma balanceada, aumentar a ingestão de fibras e termogênicos, além de ter um bom repouso são essenciais ao processo.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.