Mães passam anticorpos da vacina contra Covid-19 através de leite materno, diz estudo

Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Washington em St. Louis (WUSTL), nos Estados Unidos, realizaram o experimento com uma amostra pequena, de apenas cinco mães, com filhos de um mês a 1 ano de vida.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Um novo estudo com a vacina da Pfizer/BioNTech contra a Covid-19 constatou que mães lactantes podem ser capazes de passar anticorpos para seus bebês por meio do leite materno. A pesquisa foi publicada no último dia 30 de março no jornal científico American Journal of Obstetrics and Gynecology.


Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Washington em St. Louis (WUSTL), nos Estados Unidos, realizaram o experimento com uma amostra pequena, de apenas cinco mães, com filhos de um mês a 1 ano de vida. Todas elas tomaram duas doses do imunizante e forneceram amostras de seu leite materno congelado.


Duas semanas após a primeira injeção, o leite das mães já apresentou um aumento na quantidade de anticorpos contra o vírus da Covid-19, o Sars-CoV-2. E esse efeito se prolongou por 80 dias, ou quase três meses, de acordo com o estudo.


Para avaliar a resposta imunológica via leite materno, os pesquisadores monitoraram os níveis de dois anticorpos específicos, que têm papel fundamental no organismo no combate ao coronavírus. Trata-se das imunoglobulinas IgA e IgG, que se mantiveram quantidade significativa no alimento entre 14 e 20 dias após a primeira dose.


“Sabemos que esses tipos de anticorpos revestem a boca e a garganta dos bebês e protegem contra doenças quando o bebê está tomando leite materno. Portanto, ser vacinado durante a amamentação não só protege a mãe, mas também pode proteger o bebê, por meses”, explica Jeannie Kelly, primeira autora do estudo, em comunicado.


Outras pesquisas anteriores já haviam indicado que a amamentação confere proteção imunológica aos filhos de mulheres vacinadas. O novo estudo, porém, é o primeiro a rastrear os níveis específicos de anticorpos que estão presentes por meses no leite materno.


Para continuar a pesquisa com mães e bebês, os especialistas pretendem coletar novos dados sobre como a vacinação materna pode proteger os pequenos, seja quando se trata de amamentação ou pela transferência de anticorpos pela placenta durante a gravidez.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.