Johnson & Johnson pede autorização do uso emergencial de sua vacina nos EUA

A agência está programada para se reunir no dia 26 de fevereiro
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A Johnson & Johnson declarou nesta quinta-feira (4) que submeteu um pedido de autorização de uso emergencial da sua vacina à Food and Drug Administration (FDA) dos EUA. Se aprovada, os Estados Unidos receberão uma terceira vacina para conter a nova epidemia da coronavírus, que já matou mais de 450 mil americanos.

Funcionários da FDA devem revisar os dados dos testes da Johnson & Johnson nas próximas semanas. A agência está programada para se reunir no dia 26 de fevereiro, quando a equipe de consultoria externa considerará o pedido de farmacêutica e fará recomendações sobre a possibilidade de aprovação. Embora sua decisão não seja vinculativa, não é comum que o FDA rejeite pareceres de especialistas.

As vacinas Bio N Tech receberam aprovações semelhantes. Ambos são mais de 90% eficazes em estudos clínicos, sendo necessárias duas doses de vacina, com intervalo de algumas semanas entre elas.

Segundo a Johnson é necessária apenas uma dose da sua vacina para que a imunização ocorra. Nos Estados Unidos, sua taxa efetiva de prevenção de novos coronavírus moderados a graves é de 72%, e a taxa efetiva geral em estudos globais é de 66%. É 100% eficaz na prevenção de hospitalização e morte.

O cientista-chefe da Johnson & Johnson, Paul Stoffels, disse que uma dose da sua vacina equivale a duas doses de outras vacinas. “Em comparação com outras vacinas de coronavírus líderes (Pfizer, Moderna e AstraZeneca), uma dose da vacina Johnson & Johnson pode produzir mais anticorpos neutralizantes, o que é equivalente a duas doses de outras vacinas; recebendo a segunda dose da vacina Johnson & Johnson 2 meses depois, a quantidade de anticorpos neutralizantes triplicará. “

“Os dados deste experimento mostram que uma única vacinação pode produzir anticorpos persistentes no corpo, que se espera sejam altamente eficazes para derrotar COVID-19.”, explicou.

Paul Stoffels, disse ainda que a empresa estará pronta para enviar a vacina quando for autorizada.

“Enviamos um pedido ao FDA e estamos sendo analisados ​​por outras autoridades de saúde ao redor do mundo. Estamos ansiosos para tornar nossa vacina experimental disponível ao público o mais rápido possível”, disse Stoffels em um comunicado.

As ações da Johnson & Johnson subiram 1,5% no pregão após o expediente em Nova York. A ação ganhou 6,85% nos últimos 12 meses.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.