Hungria é o primeiro país da União Europeia a aprovar a vacina Russa contra a COVID-19

Budapeste concordou em aprovar o imunizante Sputnik V, ao contrário da posição da União Europeia. O Ministro das Relações Exteriores da Hungria partirá para Moscou para discutir mais sobre vacina
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A vacina russa Sputnik V foi registrada na Hungria e o país se torne o primeiro da União Europeia a permitir oficialmente o uso da vacina russa. A informação foi divulgada pela Instituto Nacional Húngaro de Farmacologia e Nutrição, através de uma mensagem do Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF).

O imunizante foi registrado na Hungria como parte de um procedimento acelerado baseado em dados de ensaios clínicos “Sputnik V” na Rússia e uma avaliação abrangente da droga por especialistas na Hungria. O diretor do Instituto Nacional de Farmacologia, Matthias Sentivanyi, falou sobre a conclusão da pesquisa do medicamento, que vinha acontecendo desde novembro, na noite anterior, em entrevista a um canal de televisão local. Segundo ele, é uma grande conquista que a vacina tenha sido licenciada em apenas dois meses.

Ao mesmo tempo, para começar a usar a vacina também será necessária a aprovação do Centro Nacional de Saúde Pública, que deve analisar em algumas semanas. É essa organização que vai verificar cada remessa de vacina que chega ao país. O ministro das Relações Exteriores da Hungria, Peter Siyjarto, deve discutir a vacina contra o coronavírus em conversas em Moscou nesta semana.

Como a Hungria é membro da União Europeia, o regulador europeu, a Agência Europeia de Medicamentos (EMA), também deve conceder permissão para o uso do medicamento. Conforme observado pelo portal de notícias Index, um medicamento que não recebeu a aprovação da EMA pode ser lançado no mercado sob um procedimento especial, e o estado membro da UE que tomou a decisão sobre isso assume total responsabilidade por ele.

Em Bruxelas, Budapeste foi anteriormente criticada por tentar negociar com a Rússia o fornecimento do “Sputnik V”, explicando que o medicamento não é aprovado pelas autoridades reguladoras da UE. Siyjarto explicou esta pressão do forte lobby de empresas que operam fora da UE. No mesmo dia, o Fundo Russo de Investimento Direto também anunciou o registro acelerado da vacina russa nos Emirados Árabes Unidos.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.