Divulgação/Bruno Machado

Filme brasileiro indicado ao Oscar conta história de mulheres do século 20

O filme A Vida Invisível, indicado brasileiro para disputar o Oscar, retrata toda uma geração de mulheres nascidas na primeira metade do século 20, disse o diretor do longa, Karim Aïnouz. Entre essas mulheres, está a própria mãe do diretor, que morreu poucos dias antes que ele lesse os originais ainda não publicados à época do romance A Vida Invisível de Eurídice Gusmão, de Martha Batalha.
Naquela ocasião, em 2015, Aïnouz conta que tinha escrito uma carta para parentes e amigos íntimos antes do velório de sua mãe. “Era muito importante que eu contasse pelo que ela passou, como ela conseguiu me criar sozinha, sendo o arrimo de família, o que ela tinha feito na trajetória profissional dela”, lembrou ao participar de um debate na sexta-feira (25) na 43ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, no Itau Cultural.
Poucos dias depois, ao ler o livro enviado pela produtora que o havia convidado para dirigir a adaptação da obra para o cinema, Aïnouz disse que viu várias semelhanças entre as histórias. “De alguma maneira eu me senti contemplado quando eu li o manuscrito porque era muito do que eu tinha escrito sobre a trajetória da minha mãe, que faria 90 anos no mês de dezembro”, disse ao lembrar que sua mãe nasceu no mesmo ano da estrela do filme, Fernanda Montenegro (1929).
“O que eu tinha escrito sobre a minha [mãe] era um pouco o que a Marta escrevia sobre as mulheres da geração da minha mãe”, acrescentou.

Fonte: Agência Brasil

Crédito da foto: Divulgação/Bruno Machado

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

veja também

Leave a Comment