Imagem: Reprodução de vídeo / Redes Sociais

Feijão e macarrão fornecidos para a rede municipal de Educação são descartados após identificação de bichos

Prefeitura diz apurar possível responsabilização da empresa fornecedora
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A Prefeitura de Petrópolis informou neste sábado (6), que abriu tomada de contas para apuração e possível responsabilização da empresa fornecedora de alimentos para a rede municipal de Educação, material este que foi descartado após identificação de bichos.

Segundo o Município, a empresa foi notificada e ações tem sido adotadas, desde o início do ano, para que haja o ressarcimento ao erário público e o correto descarte do material.

A prefeitura informa ainda que obteve através de laudos da Vigilância Sanitária, emitidos em janeiro e fevereiro, informações que mostram a contaminação de pacotes de feijão e macarrão, materiais estes descartados neste sábado, após adoção de todos os procedimentos legais necessários.

Imagem: Reprodução de vídeo / Redes Sociais

Confira na íntegra o comunicado emitido pela prefeitura neste domingo (7):

Prefeitura abre tomada de contas para apurar responsabilidade por fornecimento de feijão e macarrão com bichos à rede municipal de Educação

A Prefeitura de Petrópolis abriu tomada de contas para apuração e possível responsabilização da empresa Barra do Turvo por danos causados à administração pública em função do fornecimento de gêneros alimentícios com bichos, sem condições de uso, à rede municipal de Educação. O município notificou a empresa e vem adotando desde o início do ano as providências necessárias à investigação do caso, para buscar o ressarcimento ao erário público e o correto descarte do material, de forma a evitar a contaminação de outros itens.

Laudos da Vigilância Sanitária de janeiro e de fevereiro mostraram a contaminação de pacotes de feijão e macarrão, que foram descartados neste sábado, após adoção de todos os procedimentos legais necessários. “Os itens estavam dentro do prazo de validade, mas com bichos saindo dos pacotes. A Vigilância Sanitária foi acionada e produziu laudos atestando a impossibilidade de uso. Precisávamos tirar os itens do galpão, fazendo o descarte correto, para evitar que, com a chegada dos alimentos que estão sendo adquiridos agora, houvesse contaminação dos demais itens”, detalhou Tiago Gasparini Ramos, gerente da Alimentação Escolar da Secretaria Municipal de Educação.

A secretária municipal de Educação, Márcia Palma, afirmou que todos os trâmites legais foram seguidos, com abertura de processo para o descarte e laudos da Vigilância Sanitária e também do Inea, para o correto descarte dos itens. “A partir daqui o departamento jurídico seguirá com as providências cabíveis”, finalizou.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.