Facebook proíbe divulgação de notícias na Austrália

O Facebook tomou esta medida, dado há um projeto de lei que a Câmara dos Representantes Australianos aprovou ainda nesta quinta-feira (18), obrigando empresas de tecnologias como o Google, o Bing e o próprio Facebook, a pagar uma taxa para postar notícias e informações sobre o país.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

No início desta quinta-feira (18), os australianos tiveram uma surpresa aos abrir o seu Facebook. Trata-se de uma restrição imposta pelo órgão digital, que impedia os usuários de vincular links de notícias com conteúdo jornalístico ou escrever e publicar uma matéria no próprio feed da rede social com este teor.


Até o Governo Australiano foi impossibilitado de divulgar números equivalentes ao combate à pandemia do novo Coronavírus. Ao tentar publicar uma postagem deste tipo o usuário recebe a seguinte mensagem: “Em resposta à legislação do governo australiano, o Facebook restringe a postagem de links de notícias e todas as postagens de páginas de notícias na Austrália. Globalmente, a postagem e o compartilhamento de links de notícias de publicações australianas são restritos”.


O Facebook tomou esta medida, dado há um projeto de lei que a Câmara dos Representantes Australianos aprovou ainda nesta quinta-feira (18), obrigando empresas de tecnologias como o Google, o Bing e o próprio Facebook, a pagar uma taxa para postar notícias e informações sobre o país. Caso não haja um consenso sobre o valor a ser pago, a quantia será definida por lei.


Foi emitido na última quarta-feira (17) pela rede social, um comunicado oficial que dizia que a proposta de lei australiana interpreta mal a relação entre a plataforma e os usuários que a usam para publicar as devidas notícias.


O primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, atacou a proibição imposta ao país em sua própria página no Facebook: “As ações do Facebook para afastar a Austrália hoje, cortando os serviços de informação essenciais sobre saúde e serviços de emergência, foram tão arrogantes quanto decepcionantes. Essas ações só vão confirmar as preocupações que um número cada vez maior de países expressa sobre o comportamento das empresas BigTech que se consideram maiores do que governos e que as regras não devem se aplicar a elas. Eles podem estar mudando o mundo, mas isso não significa que eles o comandem. Não seremos intimidados pela BigTech tentando pressionar nosso Parlamento”.


Alguma empresas de tecnologia e de informação já chegaram em um acordo com o Governo e o Parlamento Australiano, e definiram o valor que terão de pagar para as autoridades, para continuar vinculando notícias no país.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.