Escritor de Macaé promove campanha para publicar livro sobre folclore e índios da região

Histórias que nossas avós contavam são destaque em livro.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Jornalista que trabalhou nos três principais jornais de Macaé, O Debate, O Diário da Costa do Sol e o saudoso Macaé jornal, Clinton Davisson Fialho, pós-graduado em cultura africana e mestre em comunicação pela UFJF, lançou projeto esta semana para lançar um livro que mistura terror e aventura infanto-juvenil sobre o folclore brasileiro. Segundo o escritor, foram 12 anos de pesquisa para lendas de vários locais do Brasil, inclusive Macaé e Campos dos Goitacazes.

“Macaé foi muito importante para juntar lendas. Através do atual secretário de Comunicação, Rômulo Campos, me passou informações sobre o lendário Morto Vivo do Aroeira que assombrou Macaé nas décadas de 60 e 70. Além disso, pesquisamos muito sobre os índios Goitacazes que habitavam a região de Campos, tendo até uma protagonista que é uma das sobreviventes da tribo que foi dizimada pelos portugueses com o uso de roupas contaminadas com varíola no século XVII”, conta Clinton.

A história se Baluartes – O mundo Sutil é primeiro de uma série de livros que buscam resgatar as histórias de terror do folclore nacional, com muita ação, mistério e aventura. Trata-se de uma aventura de terror juvenil histórico que se passa no Brasil colônia. Além de três protagonistas que investigam as lendas do Brasil Colônia, como o Curupira, a Mula Sem Cabeça, o Saci, o Caipora e a Cuca, várias participações de personagens históricos como Tiradentes, Aleijadinho, Tomas Antonio Gonzaga e Cláudio Manuel da Costa fazem “participações especiais” onde ajudam nossos heróis. Aventura história e fantasia se misturam nesta saga que resgata os mitos do folclore nacional.

A ideia surgiu em 2009 quando Clinton fez uma pós-graduação em cultura africana na FeMass. “Desde criança sou fascinado por histórias de terror, mas não tinha noção que o folclore nacional tinha tanto potencial para criar histórias assustadoras. Assim, só juntei o útil ao agradável e fui escrever”, lembra.

Participações especiais de personagens históricos

E como as aventuras se passam a partir de 1780 entre a Europa e o Brasil Colônia, o escritor imaginou que os protagonistas seriam um português, um príncipe africano e uma índia goitacás. Esse grupo de jovens, formado por três das principais etnias que formam o Brasil, protagonizam não apenas histórias de terror, ação, com direito a doses de humor, mas também contam com participações especiais de personagens históricos.

Por exemplo, quando se encontram pela primeira vez na Europa, prontos para zarpar para o Brasil, os Baluartes enfrentam um mistério em um Castelo mal-assombrado em uma região entre Turim e Gênova com ajuda de… quem sabe? Personagens históricos que estavam vivos e perambulando nas proximidades. Assim, como Mozart que tinha 24 anos, ou um pirralho de 14 anos que estudava nas proximidades, chamado Napoleão Bonaparte.

E quando chegam ao Brasil, na região de Vila Rica, não é que eles tiveram a ajuda de um certo Joaquim José da Silva Xavier, que vivia naquela região e costumava cuidar das pessoas com dor de dente, as pessoas o chamavam de Tiradentes… Conhece?

Quem sabe ao chegar a Vila Rica, futura Ouro Preto, não teriam encontrado um certo escultor, que trabalhava muito, apesar de ser Aleijadinho?

O livro tem previsão para ser lançado em julho deste ano e já tem contrato com a produtora Escaravelho do Rio de Janeiro para adaptar o livro em uma série para o streaming.

Quem quiser participar do projeto, os apoiadores ganham recompensas através do site Catarse pelo link: https://tinyurl.com/baluartes

Fonte: Divulgação

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.