Delegada alerta sobre golpe de clonagem do WhatsApp

A delegada explica como os criminosos têm acesso aos dados da vítima para clonar o aplicativo e recomenda ações de prevenção para evitar o furto das informações.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A delegada Daniela Terra, titular da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro, utilizou as redes sociais para alertar a sociedade sobre a prática criminosa e recorrente da clonagem da conta do WhatsApp.

Na live, a delegada explica como os criminosos têm acesso aos dados da vítima, para clonar o aplicativo, e recomenda ações de prevenção para evitar o furto das informações.

Imagem: Reprodução de vídeo / Facebook

Segundo a delegada, é importante divulgar este tipo de informação, pois esse crime tem ocorrido de forma recorrente.

Este tipo de ação está enquadrado como crime de estelionato, que é, segundo o código penal brasileiro, crime contra o patrimônio (Título II, Capítulo VI, Artigo 171), sendo definido como “obter, para si ou para outro, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro.

Alguns golpes comuns que são enquadrados como estelionato são o golpe do bilhete premiado e o golpe do falso emprego.

O crime aceita apenas a forma dolosa, ou seja, que haja real intenção de lesar, não havendo previsão forma culposa, ou sem intenção.

Assista ao vídeo: https://fb.watch/53Zcuwqlxn/

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.