Reprodução: TV Alerj

Covid-19 é a principal causa de morte materna no Brasil

A Covid-19 é a principal causa de morte materna no Brasil e uma em cada cinco mulheres morre sem acesso à UTI.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Desde o início da pandemia, o país contabiliza 1.412 mortes de mulheres grávidas, com cerca de seis óbitos por dia. A informação foi apresentada pela doutora Melania Amorim, do Grupo Brasileiro de Estudos de Covid-19 e Gravidez, durante audiência pública conjunta das Comissões de Trabalho, de Saúde e de Defesa dos Direitos da Mulher da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), realizada nesta sexta-feira (25/06).

De acordo com a médica e pesquisadora, o risco de morte pelo coronavírus é 17 vezes maior na população obstétrica, além da maior chance de desenvolvimento de complicações graves pela doença. “Em 2020, o número era de 455 mortes e neste ano, só até junho, o número é de 957 mortes, mais que o dobro do ano passado. A Covid-19 é a principal causa de morte materna no Brasil e uma em cada cinco mulheres morre sem acesso à UTI”, disse Melania Amorim, que explica que casos fatais continuam ocorrendo devido a não liberação da vacinação para a população obstétrica.

O Estado do Rio tem 180 mil gestantes e puérperas, com 11.800 vacinadas tendo recebido a primeira dose, representando apenas 6,5% dessa população imunizada, segundo dados da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro (SES/RJ). “A baixa taxa de imunização é agravada pela indicação do Ministério da Saúde pela não adesão à vacinação, indicando que mulheres grávidas não deveriam ser vacinadas, embora a vacinação para esta população já tenha recomendação cientificamente comprovada”, disse a deputada Martha Rocha (PDT), que preside a Comissão de Saúde, referindo-se à recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), publicada no mês de maio, de que o imunizante da AstraZeneca não fosse mais aplicada em gestantes.<br  style=”padding: 0px; margin: 0px;”>
</br >

Para a presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, deputada Enfermeira Rejane (PCdoB), a restrição da vacinação em gestantes e puérperas revelam o descaso com a vida das mulheres. “Isso diz muito sobre a questão do corpo da mulher e sobre o direito de tomar uma vacina. Há tanto desencontro de informação, que em alguns casos é exigido atestado médico à gestante apenas por ela estar grávida, independentemente de comorbidade. Isso impacta principalmente nas mulheres mais vulneráveis que não têm atendimento médico”, pontuou.

Maior acesso à vacina pelas gestantes

Presente na reunião, o subsecretário de Vigilância e Atenção Primária à Saúde da Secretaria de Estado de Saúde (SES/RJ), Mário Sérgio Ribeiro, revelou que, na próxima quarta-feira (30/06), deverá ser publicada uma deliberação flexibilizando o acesso da vacinação às gestantes e puérperas com ou sem comorbidades. “Entendemos a limitação da exigência do parecer médico e isso será flexibilizado para facilitar a cobertura de vacinação neste grupo. Também vamos discutir para incluir na deliberação a utilização do imunizante da Pfizer na segunda dose, contribuindo para que as gestantes tomem a vacina”, comentou.

“A gente precisa garantir que campanhas de vacinação focadas nesse grupo sejam ampliadas e que haja postos específicos para esse processo, principalmente no contexto de favelas. Além disso, que haja mais transparência e informação sobre a vacinação neste grupo”, disse a deputada Mônica Francisco (PSol), presidente da Comissão de Trabalho, que ressaltou que das 137 mortes de mulheres grávidas no Estado do Rio, 57% são negras.

Fonte: ALERJ

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.