Uma cidade para poucos

Não bastasse a política rasteira de fechamento de escolas por todo o município, os gastos suntuosos com despesas de iluminação para o Natal e a constante inversão de prioridades, o Governo Rossi, continua rasgando promessas de cara lavada.

Em um ano de gestão é fácil perceber as prioridades de um governo. O que lhe é primordial e o que lhe é de menos importância. Se mais vale garantir serviços públicos de qualidade, através da manutenção e do fortalecimento de equipamentos públicos, como escolas e hospitais, ou se é mais relevante atender os interesses de poucos.

Seja nos custos não justificados no Gabinete do Prefeito, na prática de amarração de vereadores através de acordos e cargos, ou na publicidade mentirosa de incentivo ao turismo e à economia da cidade, Bernardo e seus patifes, demonstram diariamente que escolheram governar para as oligarquias políticas e empresarias de Petrópolis. Querem uma cidade deles, uma cidade para poucos!

Enquanto isto o povo não consegue emprego, vive sem assistência, anda por ruas esburacadas, em ônibus deteriorados, esperando por atendimentos e vagas em saúde e educação, sonhando que as promessas de campanha sejam enfim cumpridas. Ainda mais nos bairros isolados do Centro Histórico, nas comunidades rurais e nos distritos.

Exemplo maior é a situação da Posse, nosso quinto distrito, com mais de 10.000 habitantes, que luta pela manutenção de suas escolas e ainda sofre com a ameaça constante da retirada de médicos e outros profissionais especialistas em suas unidades de saúde. Parece até piada lembrar que o atual prefeito prometeu uma UPA para atender a região.

Uma covardia que atinge milhares de pessoas e centenas de mães e pais que precisam contar com o atendimento de psicólogos, fonoaudiólogos e outros especialistas para o tratamento de seus filhos com necessidades especiais. Uma medida que comprova o total descaso com a vida das pessoas, argumentada em uma crise financeira que só atinge a população, nunca os objetivos políticos e empresarias dos poderosos.

Já é evidente que teremos mais três anos de canalhice, desmontes e desigualdades. Mas se calar não pode ser uma opção, cada cidadão deve ser organizar, conversar com os conhecidos, atuar frente à justiça, invadir os conselhos municipais, gritar para a imprensa, parar as ruas e pressionar contra os desmandos do prefeito e da Câmara.
Eles têm medo, só nos falta atacar.

 

 

Yuri Moura

Professor, Gestor Público e Militante das Causas Populares


A direção do Portal Giro não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

veja também

4 Comentários

Tânia 01/12/2017 - 18:55

PARABÉNS PELA REPORTAGEM, DESCREVEU COM PERFEIÇÃO ÁS DIFICULDADES ENFRENTADOS PELOS BAIRROS CARENTES DE NOSSA CIDADE.

Resposta
Washington Fazolato Barbosa 02/12/2017 - 11:54

Conheço Petrópolis desde os anos 70. Se já foi o sonho de consumo de muitos moradores, ainda carrega a fama – merecida – de cidade pacífica e charmosa.
Mas atualmente parece viver uma crise de identidade.
Governo após governo, percebe-se que a falta de uma política clara prejudica a todos.
Conheci a Rua Teresa nos seus dias de glória, quando mal se podia caminhar pelas calçadas.
Em dado momento, resolveram mudar o perfil, com lojas chiques, a preços altos.
Deu no que deu.
Por outro lado, Petrópolis possui um imenso potencial turístico, que não pode ser desprezado.
Fico imaginando a Petrotur comandada por gente com experiência comprovada em grandes eventos.
Eventos se sucedendo, grandes nomes das artes se apresentando na cidade, exposições, concertos, shows, etc.
Abrir mão disso é tolice, insensatez pura.
Por outro lado, a política vacilante, ora “pró povão” e depois “pró elite” não vai tirar a cidade do atoleiro.
O caminho redentor da cidade passa pelo turismo.
Profissional, sério, com apoio da mídia, bem divulgado e estruturado.

Resposta
Ana Lucia 02/12/2017 - 18:09

Parabéns, pela reportagem é muito revoltante ver tudo isso e ainda ser criticado por muitos, lamentável a opinião de pessoas leigas no assunto!

Resposta

Leave a Comment