Foto: Andrew Neel

Alto consumo de café aumenta em 53% risco de pessoas ficarem dementes, diz estudo

De acordo com o levantamento, o consumo elevado da bebida, está diretamente relacionado com volumes cerebrais menores, e consequentemente, com um maior risco do desenvolvimento de demência.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Uma equipe de pesquisadores da Universidade da Austrália Meridional, constatou os males que o consumo excessivo de café faz ao organismo, em uma investigação que foi realizada com 17 mil pessoas. De acordo com o levantamento, o consumo elevado da bebida, está diretamente relacionado com volumes cerebrais menores, e consequentemente, com um maior risco do desenvolvimento de demência.

O estudo que foi publicado no periódico científico Nutritional Neuroscience no último sábado (24), foi realizado no Centro Australiano de Saúde de Precisão da Universidade da Austrália Meridional. Pesquisadores da Universidade de Addis Baba, na Etiópia, e das universidades de Cambridge, Exeter e Alan Turing, na Inglaterra, também participaram do apontamento.

Todos estes cientistas, avaliaram os efeitos do café no cérebro de 17.702 participantes do UK Biobank, um banco de dados clínicos com aproximadamente 500 mil pacientes que são monitorados pelo Sistema Público de Saúde do Reino Unido, desde o ano de 2006. Os voluntários que participaram do experimento, tinham idades que variavam de 37 a 73 anos. O objetivo dos cientistas, era investigar se o consumo habitual de café, está relacionado com as diferenças nos volumes cerebrais, ou então, ao risco de desenvolver demência ou derrame.

Foi constatado que, entre os participantes que bebiam seis xícaras de café ou mais por dia, o risco de demência se mostrou 53% maior na comparação com aqueles que faziam o consume de uma a duas xícaras por dia. De acordo com a pesquisa, as evidências da associação entre o consumo elevado da bebida e a maior possibilidade de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) foram pequenas, mas ainda detectáveis.

“Levando em consideração todas as permutações possíveis, descobrimos consistentemente que o maior consumo de café estava significativamente associado ao volume cerebral reduzido”, explica Kitty Pham, estudante de PhD da UniSA e líder do estudo. “Essencialmente, beber mais de seis xícaras de café por dia pode estar colocando você em risco de problemas no cérebro , como demência e derrame”, acrescenta a pesquisadora, em comunicado.

“O café está entre as bebidas mais populares do mundo. No entanto, com o consumo global sendo superior a 9 bilhões de quilos por ano, é fundamental que entendamos quaisquer implicações potenciais para a saúde ”, avalia Pham. A pesquisadora sugere ainda que os amantes incontroláveis da bebida lembrem-se de não torná-la uma substituta da água. “Uma coisa simples que podemos fazer é nos manter hidratados e lembrar de beber um pouco de água com a xícara de café ”, recomenda.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.